Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maripossa

Tudo que tem asas deve voar,por isso a borboleta selvagem o faz sem nunca olhar para onde.

Tudo que tem asas deve voar,por isso a borboleta selvagem o faz sem nunca olhar para onde.

Maripossa

24
Ago08

Aconteceu-me

maripossa

Eu vinha de comprar fósforos e uns olhos de mulher feita olhos de menos idade que a sua
não deixavam acender-me o cigarro.
Eu era eureka para aqueles olhos.
Entre mim e ela passava gente como se não passasse e ela não podia ficar parada
nem eu vê-la sumir-se.
Retive a sua silhueta para não perder-me daqueles olhos que me levavam espetado
E eu tenho visto olhos ! Mas nenhuns que me vissem,
nenhuns para quem eu fosse um achado existir, para quem eu lhes acertasse lá na sua ideia. Olhos como agulhas de despertar como íman de atrair-me vivo
olhos para mim!
Quando havia mais luz a luz tornava-me quase real o seu corpo
e apagavam-se-me os seus olhos, o mistério suspenso por um cabelo, pelo hábito deste real injusto tinha de pôr mais distância entre ela e mim, para acender outra vez aqueles olhos.
Que talvez não fossem como eu os vi, e ainda que o não fossem, que importa?
Vi o mistério!
Obrigado a ti mulher que não conheço.

 


Almada Negreiros
 

Agora para os amigos deste blog, e aqueles que por ventura venham. Pois a autora do mesmo, vai descansar uns dias, num sítio maravilhoso e de relaxe, para o fim de semana ou seja fim do mês aqui estarei a partilhar os meus desejos, e meus sonhos, e amizade. Até lá sejam felizes. maripossa

 

23
Ago08

Factos da Minha Vida

maripossa

Hoje falo de amizade, sem rodeio nem explicação… só amizade, como deve ser. Faz algum tempo, e nunca mais esqueci o rosto, de uma senhora, enfermeira que algum tempo vai para vinte anos, me acompanhou dentro de uma Ambulância, indo eu em socorro com uma parturiente que tinha dado a luz no hospital local, tendo de seguida uma ruptura uterina. Pois a meu lado ia o bebe da senhora ao colo de outra filha adolescente, na parte de trás da Ambulância a sua mãe, estava mais para a morte, do que outra coisa, pois tinha perdido muito sangue, e só realmente o seu anjo da guarda a poderia ajudar a ultrapassar o seu sofrimento, com ela seguia uma dedicada enfermeira, que transpirava e lutava e fazia tudo para que a mesma nos chega-se viva aos Hospital para onde foi transferida. Depois de muita luta, onde a estrada não é para um qualquer em sinal de emergência, consegui chegar com ela a tempo para fazer o que no nosso Hospital não tinha, meios para tentar salvar sua vida. Pois a dita senhora se safou! Felizmente, muita gente passa e não mais sabemos o que é feito, quer das pessoas, quer dos profissionais de saúde que privam com nós. Pois hoje passados mais ou menos dezoito anos. Indo ver a saída da volta a Portugal em Bicicleta, alguém me chama e diz, nunca mais esqueci de si, nem da sua cara bombeira... conseguimos salvar a senhora, é disto que gosto, de saber o dever comprido. Fiquei sem palavras para a senhora enfermeira, hoje reformada mas que me deu aquele abraço de pura amizade, da partilha por lutar por alguma coisa que preenche e nos dá alento.

Para a enfermeira Alzira o meu carinho, e bem-haja pela partilha deste acto tão humano que podemos partilhar as duas. Lisa

 

23
Ago08

A Viajar

maripossa

(Foto Google)

Hoje estou com saudade.Mas o que será a saudade,nos faz lembrar a fome de alguma coisa,e muitas vezes daquela fome que não temos presente. Por vezes sinto isso a falta de abraçar alguém que já não está presente por algum motivo,até o amigo que a pouco falou comigo mas que no momento nos apetece olhar e abraçar,será um pouco como me sinto. Nesta altura uns com férias outros a chegar e outros a partir,até sinto a falta daquele amigo e conhecido, que logo pela manhã nos encontramos na mesa do café da esquina. Do colega do trabalho,que por vezes nos empilha com papeis,mas começamos a sentir a falta; será assim que me irei sentir esta semana até a próxima,pois este blog,vai estar a descansar das saudades dos amigos que por aqui passam,até fim da próxima semana,vou para outros ares e outras paragens.
Até lá felicidade e amizade,sejam felizes cada um a vossa maneira,os meus olhares irão passar por aqui
22
Ago08

Tristeza

maripossa


Desde o trágico acidente na Espanha que o meu coração se sente triste. Por muitas razoes eu falo assim,primeiro porque sou soldado da paz,e sei avaliar a dor e o sofrimento preso em labaredas e não poder sair,pois o meu lema é vida por vida.Em segundo lugar como somos pequenos em prol de uma tragédia humana destas,em terceiro sofri ontem mais ainda quando um colega... assim poderei dizer,por menos de farda perante as câmaras de TV chora de tristeza perante uma mulher (mãe) que lhe entrega a sua filha,e onde a mesma acaba por morrer.É das coisas mais trágicas,e de grande desconforto psíquico,que perante tamanha destruição não poderemos fazer mais e melhor. Pois são estas coisas que marcam a vida de um Soldado da Paz,pois os mesmos em certas alturas deviam ser acompanhados,para que esta solidão por vezes não fique agarrada ao peito,que nos leva um dia para a cova.
Para estes seres humanos,que os anjos e as forças do além lhe dê a paz,a todos os socorristas,um bem haja pela ajuda e humanização.

Agulheta
21
Ago08

Parabéns Nelson Evora

maripossa

Foto da net

Não poderia deixar passar,sem dar os parabéns a um atleta português que conseguiu com seu esforça arrecadar uma medalha de ouro. Para os outros que o não conseguiram,pois não vamos lamentar,mas sim dar força para uma próxima,se um dia se perde outro se ganha,assim é a vida.
Para muitos pessimistas deste país!A vida tem de ser encarada de frente,com humildade e não lamentações.Por tudo isto, parabéns Nelson Évora,pelo ouro,pelo esforço e pela convicção.Para Naíde Gomes que é boa atleta,tem provas dadas, se não consegui melhor paciência outro dia será," como diz o ditado um dia é da caça,outro do caçador"até nós temos dias que não apetece aturar o chefe,e queríamos estar sentados sem ouvir nada.Parabéns a comitiva Portuguesa e vamos trabalhar por uma altura melhor,fica a China venha a Europa.
19
Ago08

Viana Festas D, Agonia

maripossa

Isto é o Minho,de lindas Mulheres

Praça da República


Igreja de S. Domingos



Capela da Senhora D,Agonia

A partir de amanhã,começa a maior Romaria do Minho,festas de Nossa Senhora D,Agonia em Viana do Castelo,para além de ser uma grande festa tem a beleza natural da paisagem,o bom acolher,cidade saudável,tem rio e mar e montanha. Gosto desta terra como se fosse a minha natural,me sinto bem;Ao longo dos anos gosto sempre de fazer praia por estes lados,embora possa ir a outros lados.
Mas falando em festa,amanhã tem a procissão ao mar,gosto de ver os belos tapetes feitos durante a noite de hoje para amanhã pelas gentes da ribeira,os andores a entrar na barra e serem conduzidos pelos barcos engalanados de lindas flores e bandeiras diversas a tocar,é neste momento alto, que se junta muita gente vindo de diversas partes de Portugal.Os Gigantones e Cabeçudos que só por este lado tem encanto,até pareço criança,no meio deles.O cortejo etnográfico,comemorativo dos cem anos "paradas" e "cortejos" de Nossa Senhora D,Agonia.
Para não falar do Grande poeta Pedro Homem de Mello,que também escreveu sobre Viana e seu povo,onde a voz da nossa Amália imortalizou "Havemos de ir a Viana" oh meu amor de algum dia.
Querendo consultar mais sobre a festas de Viana aqui http://www.vianafestas.com/festas-agonia/
18
Ago08

Obrigado Vanesa Fernandes

maripossa



Como sou portuguesa de corpo inteiro,e tenho orgulho no meu país! Embora por vezes as coisa não sejam as melhores,mas devemos lutar por elas e não, sempre criticar que está tudo mal. Estes dias dando uma volta pela net,por diversas páginas de Internet e alguns comentários,vejo que algumas pessoas para além de serem mal formadas,são malcriadas para com os outros. Pois os nossos atletas foram para os jogos olímpicos a pensar fazer o melhor que se sabe e pode, pois não nos podemos dar ao luxo de ter dúzias de medalhas,se fomos um país recalcado pelas leis da ditadura durante 48 anos,se alguns estão a fazer o seu melhor se deve a uma geração nova e empreendedora,que tenta por menos deixar a palavra Portugal,no (fim do mundo a China.
Ontem em alguns sítios da net,onde se coloca comentários,se dizem cobras e lagartos das pessoas,eu para esses digo devem ser "frustrados"para falarem assim,até parece mal,para alguns que se dizem bem educados? tenham paciência e deixem os atletas ser eles a ditar a sua vida,roupa suja vai para o tanque ou a máquina de lavar.
Agora queria deixar um obrigado a jovem Vanesa Fernandes pela coragem e competência e humildade,fez ver mesmo com sacrifício que se pode conseguir algo. E bem no alto seu pai dizer,(sofrer até cair) bem hajas por tal,estive a ver até as 5:30 da manhã e adorei,agora força para os que falta competir,por menos por estas raízes de que alguns tem vergonha.Força atletas olímpicos
18
Ago08

O ÚLTIMO BANCO DO JARDIM

maripossa

Às vezes por mais interessante que a vida pareça,você não vê mais sentido nela, você está sentando em um banco de um jardim e observa a todas as pessoas que o cercam naquele momento, uns brincam com seus filhos, outros tem seus amores para cuidar, outros só estão de passagem por aquele lugar e outros estão como você, observado a melancolia da vida em certos momentos, você não tem nada a dizer a ninguém, seus ombros estão caídos como se você não tivesse força suficiente para erguê-los, sua boca está entreaberta, parecendo um morto vivo sem esperanças de renascer do sono profundo, mas você ainda está vivo, embora não se sinta assim, poderiam explodir mais uma vez a bomba de Hiroshima que você não se levantaria daquele lugar, e porque? Bom, é por isso que estou sentado nessa banco, não quero que a vida me dê as respostas, mas quero e preciso urgentemente que ela me indique o caminho, para que eu mesmo possa consegui-las, ou então, jamais me levantarei, permanecerei aqui até que meu corpo se canse ou que ele desfaleça por si só, e será sempre assim, rodeado de vida, de pessoas com seus filhos e de pessoas que amam, e algumas que só passarão por aqui.
Esse jardim na verdade é minha vida exemplificada da forma mais simples que pude encontrar, das pessoas que vejo, algumas conheço, outras não, o banco ainda não sei o que significa, imaginei a princípio que fosse um ponto de parada, onde eu pudesse descansar e retomar novamente a caminhada, mas não vejo outros bancos no meu jardim, mesmo aqueles por qual já parei, agora então, começo a achar que esse banco é na verdade o meu ponto final, o meu descanso quase que eterno.
Sei que ainda tenho alternativas, mas por enquanto prefiro ficar sentado aqui e apenas observar o meu jardim.


Arturo Angelin

16
Ago08

Fala do Velho do Restelo ao Astronauta

maripossa


Aqui na terra a fome continua
A miséria e o luto
A miséria e o luto e outra vez a fome
Acendemos cigarros em fogos de napalm
E dizemos amor sem saber o que seja.
Mas fizemos de ti a prova da riqueza,
Ou talvez da pobreza, e da fome outra vez.
E pusemos em ti eu nem sei que desejos
De mais alto que nós, de melhor e mais puro.
No jornal soletramos de olhos tensos
Maravilhas de espaço e de vertigem.
Salgados oceanos que circundam
Ilhas mortas de sede onde não chove.
Mas a terra, astronauta, é boa mesa
(E as bombas de napalm são brinquedos)
Onde come brincando só a fome
Só a fome, astronauta, só a fome.


José Saramago
15
Ago08

Eu Amo a Natureza

maripossa

Sou de verdade uma filha da natureza. Desde pequena que me habituei a ouvir os pássaros,o cantar da água o do grilo,foi crescendo nesta maneira de pensar,hoje me custa os olhos, ver tamanha ignorancia perante certas pessoas. Daqui  a poucos anos,muitas coisas vão desaparecer,e vamos todos sentir a falta.
 sinto a falta do estio,as estações em sua época,o lindo cantar das aves e até o cantar do rio.A muito pouco tempo,me sentava na margem do rio,metia os pés em suas águas até as pedras eu via e suas cores,hoje que vejo tudo estragado,nem podemos chegar em suas margens,pois os matos nos cobrem tão grandes eles são,pois isto é a vida deste planeta. Pois onde moro existe um rio onde se apanhava boa truta salmonete,as águas do rio eram tão cristalinas que as viamos no fundo,as margens do rio o lavrador tinha as nabiças nos campos,que muitas vezes as dava aos pescadores do rio para trazer para casa,pois comi algumas bem verdes e gostosas.Pois quem estraga tudo isto que um dia nos deixaram para cuidar,merece nem sei o quê,pois as fábricas locais estragaram tudo com as tintas que despejavam para o rio a céu aberto,foi preciso mão de ferro para este problema,mas alguma coisa ainda falta fazer!O chamado Rio Ferro tinha dias que ia de uma cor, noutro dia era outra, e assim por diante. O homem se tornou egoísta demais, senta em sua cadeira e começa a ver se vai ter lucro de alguma coisa? Pois mas muitas vezes temos de tomar desissões,pois não podemos ver dinheiro em todo o lado,temos de respeitar a mãe natureza,cada dia que passa lemos nos jornais espécies a desaparecer,os biologos tentam por todos os meios tentar salvar a espécie,mas para isto funcionar temos de lutar todos juntos e não só alguns.

Lisa

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D