Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maripossa

Tudo que tem asas deve voar,por isso a borboleta selvagem o faz sem nunca olhar para onde.

Maripossa

Tudo que tem asas deve voar,por isso a borboleta selvagem o faz sem nunca olhar para onde.

Palavras Albert Einstein

05.05.08, maripossa
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5196921527008501746" />

Foto da net

"Conhecia também o risco universal causado pela descoberta da bomba. Mas os sábios alemães se encarniçavam sobre o mesmo problema e tinham todas as chances de resolvê-lo. Assumi portanto minhas responsabilidades. E no entanto sou apaixonadamente um pacifista e minha maneira de ver não é diferente diante da mortandade em tempo de paz. Já que as nações não se resolvem a suprimir a guerra por uma acção conjunta, já que não superam os conflitos por uma arbitragem pacífica e não baseiam seu direito sobre a lei, elas se vêem inexoravelmente obrigadas a preparar a guerra. Participando da corrida geral dos armamentos e não querendo perder, concebem e executam os planos mais detestáveis. Precipitam-se para a guerra. Mas hoje, a guerra se chama o aniquilamento da humanidade. Protestar hoje contra os armamentos não quer dizer nada e não muda nada. Só a supressão definitiva do risco universal da guerra dá sentido e oportunidade à sobrevivência do mundo. Daqui em diante, eis nosso labor cotidiano e nossa inabalável decisão: lutar contra a raiz do mal e não contra os efeitos. O homem aceita lucidamente esta exigência. Que importa que seja acusado de anti-social ou de utópico? Gandhi encarna o maior génio político de nossa civilização. Definiu o sentido concreto de uma política e soube encontrar em cada homem um inesgotável heroísmo quando descobre um objectivo e um valor para sua acção. A Índia, hoje livre, prova a justeza de seu testemunho. Ora, o poder material, em aparência invencível, do Império Britânico foi submergido por uma vontade inspirada por ideias simples e claras.

Albert Einstein

Mãe

04.05.08, maripossa

Mãe ! Onde estás, bem longe dos meus olhos, sabes eu te visitei hoje! mas o lugar não era lindo nem confortável , só tinha o vazio o frio a solidão, mas paz muita paz..mas a saudade se apoderou do coração porque será, por que fazes falta do espaço que ocupavas e hoje é vazio, mesmo no lugar da tua casa, fazes   falta ainda sinto o cheiro da  presença a tua Mãe.
Como é bom lembrar da tua preocupação, se eu sabia ler, se tinha febre, a tua alegria, o teu colo e regaço,pois sei que era um pouco o amparo de horas menos alegres em tua vida...mas eu estava ali, pela minha força e determinação, tentar resolver as coisas, pela forma de as enfrentar , ainda sinto a falta quando tu dizias que gostavas do que eu fazia a culinária, e de pequenas outras coisas, mas quando da tua janela ouvias ao longe um toque de alguma sirene ficavas com angústia e preocupação, quando te visitava, ainda ficou nos ouvidos! oh filha tem cuidado,fico aflita,quando vejo passar carros de Bombeiros,olha! no monte o lume é traiçoeiro, mas o anjo da guarda te vai ajudar sempre
Já passou algum tempo, mas quanto mais passa a saudade fica, amanhã é teu dia" ou será sempre esta coisa de datas, mas para a nossa Mãe ou  Pai e Filhos jamais terá alguma data, eles estão sempre no coração.

A nossa Mãe! Podes ser pobre, faminta desprotegia maltratada, Mãe Negra ou Branca, só acompanhada, mãe vigilante Mãe triste desamparada, mulher da noite! mas enfim e sempre serás uma doce e eterna Mãe, a minha a tua, a de todas nós que no fundo somos todas, filhas e Mães
Lisa

Mãe

04.05.08, maripossa
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5196243197053640674" />



Mãe
terminou o tempo
de sorrir
desculpa-me a morte,das plantas

Tatuei a tua antiga,imagem loura
em todos os pulsos,que anjos
inclinam,de existires

Perdi-me noite na planície branca
sobrevivente das madrugadas da memória

Trocaram-me os dias
e as ruas de ancas,verticais
e nas minhas mãos incompletas
trouxe-te
Um naufrágio de flores,cansadas


E o único jardim de amor,que cultivei
De navios ancorados ao espaço

Maria Teresa Horta

As Borboletas

04.05.08, maripossa

De uma querida amiga que teve a gentileza de oferta desta linda foto, com uma borboleta aqui vai ser postado um texto sobre a mesma, pode considerar uma atenção e um carinho

 

As Borboletas

É Outono no Sul do Mundo. Estou numa ilha ancorada no Oceano Atlântico,
e uma cigana tenta me vender tapetinhos que não quero, que nada têm a
ver comigo. Como não vou querer mesmo, imagino que ela vá me amaldiçoar quando se for, como as ciganas fazem muitas vezes. Não creio em maldições de ciganas - creio, sim, na bênção leve que vem das asas das
borboletas.
Tenho um mundo povoado de borboletas, não importa aonde ande, mas parece que aqui nesta Ilha, em dias de Outono e céu azul, as borboletas
fiquem mais visíveis. É como se elas revoluteassem à minha volta,
lindas e coloridas, e cada uma me trouxesse uma prenda, uma alegria.
Talvez porquê elas pensem que esta ilha é um navio que vai singrando
mares tão desconhecidos quanto os de Goneville - mas como elas podem
pensar tal coisa se este é um mar de Sol e Outono, e não o Mar das Brumas?
Disse Quintana que o segredo é não correr atrás das borboletas, e
penso: Quintana viveu a menos de 500 quilómetros daqui. Poderia ir até
à terra onde ele viveu, remando numa canoa. Talvez nem precisasse
remar, talvez surgissem grandes borboletas que, voando, puxassem a
minha canoa como os cavalos puxam as carruagens. Não seria a mesma
coisa que correr atrás das borboletas - elas me levariam a reboque por
vontade própria até lá na terra onde havia um poeta que escreveu um
regulamento de vida para que elas e os humanos se entendessem direito.
As borboletas neste dia de Outono, nesta Ilha! Elas me circundam e
me encantam, e recendem à maresia! Talvez haja tantas aqui porque
descobri o segredo de Quintana, e trato de cuidar do jardim para que
elas um dia venham pousar, caso quiserem. E se nunca pousarem? Obedeço
a Quintana, não corro atrás delas! Se nunca pousarem, vou saber que a
vida valeu a pena, porque elas sempre estão por perto, e ainda mais por
este dia nesta Ilha, quando, confundidas, elas não distinguem muito bem
se isto é Ilha ou Navio, e indiferente a ciganas e suas maldições, me
abençoam por todos os lados, leves, coloridas, luminosas e mágicas,
quase como se fossem feitas de eflúvios de perfume de tangerinas, e são
tão parecidas com o meu amor!

Mário Quintana

 

 


Golfinhos

02.05.08, maripossa
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5195834591044968370" />


Os golfinhos ou delfins são animais mamíferos cetáceos pertencentes à família Delphinidae. São perfeitamente adaptados para viver no ambiente aquático, existem 37 espécies conhecidas de golfinhos, dentre os de água salgada e água doce. A espécie mais comum é a Delphinus delphis.
São nadadores privilegiados, às vezes, saltam até cinco metros acima da água, podem nadar a uma velocidade de até 40 km/h e mergulhar a grandes profundidades. Sua alimentação consiste basicamente de peixes e lulas. Podem viver de 25 a 30 anos e dão à luz a um filhote de cada vez. Vivem em grupos, são animais sociáveis, tanto entre eles, como com outros animais e humanos.
Sua excelente inteligência é motivo de muitos estudos por parte dos cientistas. Em cativeiro é possível treiná-los para executarem grande variedade de tarefas, algumas de grande complexidade. São extremamente brincalhões, pois nenhum animal, exceto o homem, tem uma variedade tão grande de comportamentos que não estejam diretamente ligados às atividades biológicas básicas, como alimentação e reprodução. Possuem o extraordinário sentido de ecolocalização ou biosonar ou ainda orientação por ecos, que utilizam para nadar por entre obstáculos ou para caçar suas presas.
O habitat de 33 espécies de golfinho é na água salgada, perto da costa ou no mar aberto. Porém 5 espécies vivem em rios e lagos, como o Boto da Amazônia. Alguns, de água doce, vivem no encontro da água doce com a salgada

Envelhecimento

01.05.08, maripossa

Envelheço quando me fecho para as novas idéias e me torno radical.  
Envelheço quando o novo me assusta e minha mente insiste no comodismo.   
Envelheço quando meu pensamento abandona a casa e retorna sem nada. 
Envelheço quando me torno impaciente, intransigente e não consigo dialogar.   
Envelheço quando penso muito em mim mesmo e me esqueço dos outros.  
Envelheço quando penso em ousar mas temo o preço da ousadia.  
Envelheço quando permito que o cansaço e o desalento tomem conta da minha alma.  
Envelheço quando tenho chance de amar mas vence o medo de arriscar. 
 
Envelheço quando paro de lutar.

Neste Dia Para ti...amigo

01.05.08, maripossa
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5195513778462793634" />
Neste dia 1º de Maio,do trabalhador e de saudades,deixo aqui uma pequena prenda de amizade,para quantos deixaram as suas palavras,pela luta por uma vida melhor,com esperança solidariedade,pelos que não tem emprego que se vê a braços com a família para sustentar,e por ti nos dias que não ponhas os cravos na lapela mas arranjavas uma rosa no quintal da vizinha para colocar. Mas ali ao lado estava o bufo a espreita da derrapagem do instante,onde estiveres sabes disso era pequena,mas tenho nos olhos a imagem,e a memória permaneçe.
Para estes amigos,que fazem parte deste espaço e onde eles permaneçem num cantinho do coração,bem hajam pela força e pela sua coragem da data.


Rabiscado por Agulheta

Pág. 4/4