Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Maripossa

Tudo que tem asas deve voar,por isso a borboleta selvagem o faz sem nunca olhar para onde.

Maripossa

Tudo que tem asas deve voar,por isso a borboleta selvagem o faz sem nunca olhar para onde.

Num recanto de uma sala junto a uma janela entreaberta

28.11.09, maripossa

Num recanto de uma sala junto a uma janela entreaberta
estou como se estivesse protegido por uma cúpula de folhagem e escrevo não sobre uma folha mas sobre a pedra azul do dia, e as minhas palavras reflectem o murmúrio do sol e a língua do vento.
Talvez elas venham também de um fundo obscuro, procurar o espaço visível com a sua sede submersa mas eu não conheço o que as move nem o seu alvo oscilante.
No entanto a claridade da página é um álcol leve que vai ardendo ao sopro da matéria que vou vislumbrando em lentos movimentos e assim vejo o vento ordenando-se como uma veia porque a transparência é cega e o seu silêncio emudece-me
E se toda esta brancura aboliu o mundo dela se ergue um pequeno geyser,como as suas minúsculas asas de argila e os seus brancos cálices de pássaros de lua.

 

António Ramos Rosa

(foto flickr)

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.