Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maripossa

Tudo que tem asas deve voar,por isso a borboleta selvagem o faz sem nunca olhar para onde.

Tudo que tem asas deve voar,por isso a borboleta selvagem o faz sem nunca olhar para onde.

Maripossa

14
Mai08

Leitura de Viagem

maripossa

Leitura de viagem: um género literário que desperta uma ideia de fancaria.É uma opinião muito divulgada; o que se lê em viagem deve ser de uma rxtrema ligeireza,de uma extrema insignificância, ninharias «para matar o tempo».Aí está uma coisa que jamais compreendi. Em primeiro lugar,porque essa leitura que por convenção nos deve distrair é o que há mais aborrecido no mundo; e, em seguida,porque não posso admitir que devemos baixar o nosso nível intelectual e lançarmo-nos sobre coisas estúpidas,justamente numa ocasião tão solene e tão séria como uma viagem.

Acaso a liberdade e a abertura de espírito,enerentes ao estilo de vida que implica a viagem,serão susceptíveis de criar uma atitude da alma e dos nervos em que as coisas estúpidas nos repugnem menos o habitualmente? Desde que uma viagem nos inspira respeito,é justo e conveniente que respeitemos tanbém a leitura que deve acompanhá-la

 

Thomas Mann

 

 

 

16
Jan08

Corações em Silêncio

maripossa
id="BLOGGER_PHOTO_ID_5156179418762113970" />
Sinopse


Confrontado com situações de extremo perigo, Taylor McAden, bombeiro voluntário, expõe-se até ao limiar do perigo. Denise é uma jovem mãe solteira, cujo filho de cinco anos sofre de um inexplicável atraso de desenvolvimento e a quem ela devota a sua vida numa tentativa de o ajudar. Mas o caso vai aproximar estes seres. Numa noite de tremendo temporal, Denise sofre um acidente de automóvel e é Taylor quem vem socorrê-la. Embora muito ferida, a jovem depressa toma consciência de que o filho já não se encontra na sua cadeirinha do banco traseiro. Taylor irá até ao fim de uma angustiante noite de buscas para o encontrar. Foram tecidas as primeiras malhas que os irão unir - o pequeno Kyle desabrocha ao calor da ternura daquele homem. Denise abandona-se à alegria de um amor nascente. Mas Taylor tem em si cicatrizes antigas, que o não deixam manter compromissos de longa duração. Nicholas Sparks, esse talentoso contador de histórias, intervém com a sua magia redentora e a sua inigualável capacidade de aprofundar a complexidade das relações e dos afectos.

NICHOLAS SPARKSComprei este livro,estou a começar a ler, deixo aqui um pouco do mesmo e convido a lerem o mesmo,tem uma história de muita ternura e amor... como sempre, eu gosto que falem de Amor pois ele é o suporte da vida

Rabiscado por Agulheta
10
Jul07

Miguel Torga

maripossa

Avô,28 de Setembro de 1942- Este Portugal,apesar do que lhe fizeram e do que não lhe fizeram,ainda tem seiva e beleza! A beleza está espalhada por todo ele,e é isto:uma aldeia estendida ao sol sobre uma fraga,entre dois rios,uma ponte manuelina em baixo,as ruínas dum castelo em cima,e uma lápide num casinhoto a dizer que ali nasceu um Poeta.

A seiva é uma mistura de insubmissão,ironia e graça, e vem hoje nos jornais:uns pressos na cadeia de Anadia resolveram ir às vindimas; mas como o assunto não podia ser tratado ofialmente,arrombaram a porta e deixaram,juntamente com uma carta ao carcereiro a garantir-lhe o regresso,esta homenagem ao autor da gasua;

Viva o Almeida Lemos

Bom serralheiro moderno,

Que é capaz de fazer chaves

Para sair do próprio inferno.

Passagems

Foto tirada da net.

27
Jun07

Varanda Aberta

maripossa

 A música ouvia-se.Altissima . mesmo quem não queria era obrigado a reparar na varanda aberta.

As paredes descascavam-se por elas, como quem buscando a segunda pele. As roupas secavam aos ritmos dos sons. Já estariam secas. Mas a música não parava. E as roupas continuavam lá.

Não sei quem a ouvia. mas sabia que não era para ninguém.Do outro lado da rua uma criança

aponta: Olha mamã, uma festa! É alguém que esta muito triste e só e vive ali.

E porque põe música? E tão alta, então ?

Sabes,é para mostrar ao mundo que existe.

Para dizer a quem passa como nós, que precisa de alguém .

Mesmo de quem não conhece.

Mesmo de quem não vai conhecer nunca.

Do livro  mar de manhãs

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D