Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Maripossa

Tudo que tem asas deve voar,por isso a borboleta selvagem o faz sem nunca olhar para onde.

Tudo que tem asas deve voar,por isso a borboleta selvagem o faz sem nunca olhar para onde.

Maripossa

20
Out08

Era só Um Dia

maripossa

Era só um dia. Como qualquer outro, mas vinha o cheiro do Outono, lento e envolto nas minhas lembranças. Aqueles olhos castanhos como as folhas, que os meus iluminaram e miravam, no fundo dos meus. Olhamos os dois ao mesmo tempo, para aquele céu num azul tão bonito que nem parecia Outono, e muita coisa ficou por dizer nesse dia.

Passar ali no momento! Tudo estava no lugar até o velho quintal, onde as plantas e as árvores teimaram em ficar ali à espera, se calhar para recordar . No mesmo lugar numa tarde qualquer a uma hora qualquer, estivemos ali. Eu no meu fato branco a presença do teu perfume, o tom da tua pele morena, em mim

Bateram as horas cinco da tarde, estremeci como que parasse o tempo, neste momento do dia, e numa hora qualquer, estavas ali comigo naquela tarde de Outono

Lisa/20/10/2008

 

03
Out07

Gaveta de Recordações

maripossa

Abri gavetas das recordações

Elas são as Dores os Papéis

De coisas escritas, e emoções

Pequenas cartas de amor

Como dói o silêncio, do olhar

Para esta gaveta e pensar!

Outras com desenhos, carinho

Pois essas são os desenhos dos filhos

Fotos antigas dos amigos e pais

Coisas que o tempo apagou

Mas ficou a recordação que o tempo

Jamais apagou e sempre sonhou

Rosas secas verdadeiras, datas especiais!

Lembranças apagadas jamais

Até o convite lá está guardado no coração

Era o da primeira comunhão,

Pequeno presente, que gosto muito.

O cacho do cabelo, o primeiro dente

Desta mulher e Mãe sempre presente

Mas guardo, numa bela caixinha.

Uma mulher baixinha, chamada Mãe.

A minha sempre! Mãe

 

maripossa/Lisa

25
Abr07

Memórias

maripossa

TEATRO CINEMA

 

 

O terceiro dos lugares emblemáticos da resistência ao fascismo em Fafe foi, sem dúvida, o Teatro Cinema

 

Propriedade da família Summavielle, aquele edifício foi palco dos grandes comícios da oposição em Fafe, ao longo do Estado Novo.

Segundo algumas fontes, apesar das determinações governamentais no sentido de que qualquer utilização da casa, para alem de espectáculos, fosse objecto de autorização do representante do Governo no Distrito, as manifestações oposicionistas sempre se realizaram apenas elas.Nunca o Teatro terá sido cedido para sessões de propaganda ao regime.

Concluída em 10 de Dezembro de 1923 e aberta em 10 de Janeiro de 1924,aquela belíssima casa de espectáculos começou por receber as melhores companhias de teatro nacionais e projectou cinema desde os primeiros tempos.

Logo em 1929,já em período de Ditadura militar, realizou-se uma grande manifestação de apoio à Republica e ao Major Miguel Ferreira, na altura exilado,”de ovação à Liberdade, deaclamação à Democracia”, com a presença de nomes sonantes da “resistência”, entre os quais o conhecido Prof.Emidio Guerreiro.

Mais tarde, aquando das eleições para Presidência da Republica, em 1949,novamente o Teatro Cinema volta a ser palco de uma grande manifestação de apoio à candidatura da oposição, no caso do General Norton de Matos, em 6 de Fevereiro daquele ano.

Em 2 de Junho de 1948,nas presidenciais a que concorreu o “General Sem Medo”, Humberto Delgado, novamente aquela sala foi utilizada para uma sessão de propaganda da candidatura oposicionista, autorizada pelo Governo Civil de Braga.

Outras sessões continuaram a privilegiar como espaço de actuação entre os quais a sessão da CDE em 1969.

Pode-se assim afirmar, sem desmentido, que o Teatro Cinema se constituiu ao longo de mais de quarenta anos como um lugar de referência da oposição ao Estado Novo na nossa terra, nos momentos decisivos das batalhas eleitorais

Por ele passaram figuras importantes da resistência ao fascismo no Distrito de Braga, como personalidades oposicionistas de dimensão nacional

                                   

Do livro desafectos ao Estado Novo

Esta é a fchada desta linda casa de espectáculo,que vai ser reparada ainda este ano com grandes obras de restauro,pois  a cámara a comprou o edificio e  grandes obras na mesma irão ser feitas,para bem de todos os Fafenses,pois é sem dúvida muito bonita por dentro,e merece que todos olhem por ela é realmente um belo património de rara beleza do principío do século vinte,vamos esperar eu depois direi alguma coisa acerca.

18
Abr07

A Minha Janela

maripossa

 

Na minha janela!..olho a chuva caindo, sol aparecer e a fugir, a neve enchendo as ruas de branco, vejo o chegar da noite, céu estrelado, com seu encanto.Assim é a minha Janela! Onde me vem lembranças do passado, de ver crianças jogando á bola no meio da rua, com alegria de ver os pregões das varinas, do amolador e tantas coisas, de quando pela janela se atirava um beijo ao namorado, da minha janela eu tenho a luz da esperança e do amor, a luz de Deus, tenho o orvalho nas minhas flores.

Mas na minha janela, já me correram lágrimas pela falta de alguém, de desilusão e de amor.Mas na minha pobre janela eu tenho o olhar atento ao que me rodeia e vejo sempre uma luz de esperança para um mundo melhor.

(Foto tirada da net)

14
Abr07

Á Memória dos Soldados da Paz

maripossa

Hoje mexendo em papeis e jornais de todo o meu tempo de vóluntariado me veio as mãos um jornal que fala como sempre,dos fogos florestais pois passam os anos e governos e sempre a mesma coisas com o passar dos tempos senão vamos voltar ao dito ano.

Estavamos no começo do verão de 14 de junho 1986,um fogo gigante e traiçoeiro,nas serras de Águeda,matou 16 pessoas,(13 bombeiros e três civis),e ainda 8 bombeiros gravemente feridos,eu pergunto?..Quem vamos culpar o tempo, os governos o Povo!..Tudo isto será incognito,culpas sempre as irão dar na hora,mas direi devemos ter mais respeito pelas leis da natureza que tudo leva em espaço de segundos,mas a mão do homem tem muita culpa,disso teremos certeza,na hora que este grande sinistro aconteçeu todos os soldados da Paz que se encontravam no local,continuaram a sua luta contra o tempo e contra as chamas devastadoras,e nessa altura já se enviaram aviões vindos da vizinha Espanha e já passaram 21 anos?Pois foi sem duvida um acto e exemplo de valentia,coragem e abenegação.

Na altura Padre Vitor Melicias,disse.

«Apetece-me dizer como Cristo na hora do Calvário:Meu Deus,Meus Deus,porque nos abandonaste?»

Sempre direi vamos ser prudentes e atentos a quem quer destruir a natureza com sua maldade,vamos entervir e pedir contas das imprudencias feitas contra o homem e natureza,valos selar pelos direitos de todos nós para que nossos filhos possam viver e respirar bem e ter uma floresta livre da praga dos incêndios.

 

Assim que no letal fogo desperta

A Morte assasina pecorre

Com passadas gigantescas coberta

A lombada do Monte da Morte,

Oh,triste dia,marmórea sina

A vida levas-te de mim.

Pela vida de outrém a Morte seu fim!

Oh!Corpo que guardas a Alma:

Lembra o negrume com que te vestiste,

Horrenda Morte,boca enorme,Noite acalara,

Coração valeroso,que tão fácil não desiste!

Dosinfinitos Sóis me verás sorrir

Do Estio tão malvado quão cheio de calor,

no Monte da Morte de flores loucado e sem bulir

Vou ver-te Mãe...Maria...cheia de Amor!

 

(Este poema de Paula Nogueira filha feito para mim Elisa em horas de angústia e de esperança de voltar sempre ao lar)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D